• Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

 

News Motivacional Nº 563 PDF Imprimir E-mail
         

Por que a Atitude é tão importante...

Atletas e executivos bem-sucedidos sabem, que em condições normais de competição, manter uma atitude positiva é como dispor de uma arma secreta para determinar a vitória. 

Você sabia que existem dois tipos de profissionais?

1.      Os que purificam: são aqueles que fazem tudo a sua volta ficar melhor, acreditam que tudo dará certo, não importa que tipo de atmosfera encontrem. Elas ouvem as palavras tóxicas dos poluidores, como os demais, mas as filtram antes de passar adiante. O que lhes chega pode ser poluído e negativo, mas o que sai delas é fresco e límpido. 

2.      Os que poluem: são como chaminés, soltando fumaça o tempo todo. Elas detestam céu limpo, e não importa quão bom esteja o ar, encontram uma maneira de fazer tudo ficar melancólico. Quando as pessoas da organização inalam suas toxinas, adoecem gradativamente. 

O efeito da atitude é crucial. Quando ela é negativa, acaba por poluir o meio e tornar as pessoas melancólicas, mas quando positiva, ajuda a ampliar suas possibilidades de sucesso.

Compartilhe no Facebook
  

Fardos...

Num fim de tarde, um missionário cristão na Índia, estava viajando a pé pelas montanhas geladas do Himalaia com um monge budista. O vento frio parecia cortar sua pele. A noite estava se aproximando quando o monge o advertiu de que estavam arriscados a ficarem congelados e morrerem, se não chegassem ao mosteiro antes de escurecer.

De repente, numa passagem estreita ao lado de um precipício, eles ouviram um grito de socorro. Ao pé do penhasco estava um homem caído e muito machucado. O monge disse: “Não pare. Mas o missionário respondeu: “Deus me enviou aqui para ajudar meu irmão.”

O monge seguiu sozinho, enquanto o missionário descia para ajudar o ferido.  Fez uma tipoia do seu cobertor e o amarrou nas costas. Com grande dificuldade ele subiu o penhasco, agora ensopado de suor.

Apesar de muito cansaço e do suor pelo desgaste físico, ele finalmente viu adiante as luzes do mosteiro. Então, pela primeira vez, ele tropeçou e caiu. Mas, não pela fraqueza. Ele tropeçou no corpo do monge congelado e morto.

Anos depois um discípulo lhe perguntou: “Qual é a mais difícil tarefa da vida”? Sem hesitar o missionário respondeu: “Não ter um fardo para carregar”.

Compartilhe no Facebook

Quanto à autoria das mensagens:
Estas mensagens foram, na sua maioria, enviadas por leitores ou coletadas na internet

 

Facebook